Carrefour deposita R$ 1 milhão para viúva de homem que foi espancado e morto por seguranças


 

O grupo Carrefour Brasil informou, nesta quarta-feira (28/4), ter depositado, “deliberadamente”, R$ 1 milhão para Milena Alves, viúva de João Alberto Silveira Freitas, o João Beto, assassinado, em novembro do ano passado, na frente de uma unidade do supermercado, em Porto Alegre (RS).

O depósito foi feito numa conta criada com a finalidade de consignação extrajudicial para efeito de indenização, e já está disponível para Milena, única familiar que ainda estava com a negociação de indenização em aberto. As informações são do Metrópoles.

“O valor é a soma do patamar máximo por danos morais fixado pelo Supremo Tribunal de Justiça para casos como este e de um valor referente aos danos materiais, independentemente da comprovação que seria necessária em caso de litígio, e que geraria novos custos à viúva”, explicou a rede, em comunicado à imprensa.


Veja Também: 

A empresa informou também ter depositado R$ 100 mil extras diretamente na conta bancária de Milena para “gastos mais urgentes” da viúva.

A ação “deliberada” do Carrefour ocorre após Milena recusar o mesmo valor, de R$ 1 milhão, proposto em acordo da rede de supermercados. Os advogados da viúva pedem, na Justiça, o pagamento de montante entre R$ 10 milhões e 15 milhões, por danos morais e materiais.

Em 2019, o Carrefour também destinou R$ 1 milhão a órgãos ligados à causa animal após a morte da cadela Manchinha, espancada com uma barra metálica por um segurança em unidade do supermercado, em Osasco (SP).

Além do pagamento da indenização a Milena Alves, o Carrefour já havia finalizado oito acordos com os demais familiares de João Alberto, que incluem os quatro filhos dele; o pai, João Batista Rodrigues Freitas; a irmã, a enteada e a neta. Os valores não foram divulgados pela rede de supermercados.

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul (PCRS) indiciou seis pessoas no âmbito do inquérito que investigou a morte de João Beto. Os seguranças Giovane Gaspar da Silva e Magno Borges Braz foram presos no dia do crime.

Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem